Próximas Exposições

Não perca a próxima oportunidade de ver os nossos e outros dogues em acção!


16 Fevereiro
3.ª Mostra DACP
Pavilhão Multiusos - Fafe
Tipo: CAC


17 Fevereiro
6.ª E. C. Nacional de Fafe
Pavilhão Multiusos - Fafe
Tipo: CAC

16 Março
10.ª E. C. Nacional das Caldas da Raínha
Pavilhão EXPOESTE - Caldas da Raínha
Tipo: CAC


17 Março
3.ª E. C. Internacional das Caldas da Raínha
Pavilhão EXPOESTE - Caldas da Raínha
Tipo: CACIB


14 Abril
34.ª E. C. Monográfica Nacional de CEDDA

Tipo: CAC

14 Abril
3.ª E. C. Nacional do Montijo
Parque de Exposições - Montijo
Tipo: CAC


25 e 26 de Maio

85.ª Exposicion Internacional Canina de Primavera de Madrid
Feria de Madrid - Madrid
Tipo: CACIB

O Bloodhound - Estalão da Raça
 
OUTROS NOMES: Cão de Santo Humberto, Chien St. Hubert, Sleuth hound, Bluthund

ORIGEM: Bélgica

CLASSIFICAÇÃO FCI: Grupo 6 - Cães de Levante e Corso e raças semelhantes 
Secção 1 - Cães de Levante e Corso 

RESUMO HISTÓRICO
O nome Bloodhound, pelo qual também é conhecido, significa “cão de sangue”, o que pode se referir a sua habilidade como cão de pista de sangue para seguir presa ferida. Na França era o cão oficial das matilhas reais de caça desde o reinado de Francisco I até Luís XIV, quando foi substituído pelos “cães brancos do rei”, variedade originária do cruzamento entre uma variedade branca de Bloodhound, chamado de “Santo Humberto de Lorena”, com o Braco Italiano. Os Ingleses reclamam para si a origem do Bloodhound, alegando que os ancestrais da raça eram cães ingleses que teriam sido aprimorados pelos monges de Santo Humberto, mas, apesar disto a raça é considerada oficialmente uma raça belga.
Consideradas por muito tempo como duas raças independentes, embora parecidas, recentemente o Cão de Santo Humberto e o Bloodhound receberam da Federação Cinológica Internacional um único standard de perfeição racial. Assim, a raça, já unificada, recebeu a denominação de "Cão de Santo Humberto", definindo-se além disso como de origem Belga, apesar de atualmente estarem mais difundidos os exemplares ingleses.

APARÊNCIA GERAL
Sabujo por excelência, de talhe grande e volumoso, seu andar é pausado e majestoso. O Cão de Santo Humberto é o exemplar de maior tamanho dentro do grupo dos Hounds. 
É de grande utilidade devido a seu excelente olfato, que pode tomar um rastro até depois de 100 horas de marcado. Já foi inclusive utilizado pela polícia para tarefas de perseguição a prisioneiros fugitivos ou perdidos.
Tem um latido forte e imponente.

REGIÃO CRANIANA
Crânio: alto, longo, mais para estreito e as faces laterais, planas. As arcadas superciliares são pouco proeminentes, apesar do que possam parecer. A protuberância occipital é muito desenvolvida e distintamente saliente. 
Cabeça: imponente, majestosa e cheia de nobreza, é o ponto característico da raça. É estreita em relação ao seu comprimento e longa em relação ao corpo. A estrutura óssea é bem visível. As faces laterais são planas e o perfil é quadrado. O focinho é sensivelmente paralelo à linha superior prolongada da testa. A pele, abundante e fina, forma sobre a testa e as bochechas rugas e dobras profundas, caindo quando a cabeça está portada baixa e se prolongando dentro das dobras das barbelas fortemente desenvolvidas. A pele é menos abundante nas fêmeas.
REGIÃO FACIAL
Olhos: castanho-escuros ou avelãs, de tamanho médio, ovais, nem saliente, nem muito profundos nas , com a íris completamente visível.Pálpebras sem irregularidades quanto ao contorno, sendo as inferiores um pouco caídas, mostrando um pouco da conjuntiva. 
Focinho: tão longo quanto o crânio; alto, largo perto das narinas e de largura igual em todo seu comprimento. A cana nasal é reta ou um pouco convexa (ligeiro nariz de carneiro). 
Trufa (nariz): preta ou marrom; sempre pretas nos cães preto e fogo. A trufa é larga, bem desenvolvida e as narinas bem abertas.
Belfos (lábios): muito longos e pendentes. Os lábios superiores cobrem os lábios inferiores, o que dá um perfil quadrado ao focinho. As bordas dos lábios superiores descem mais ou menos 5 cm
mais baixo do que o maxilar inferior. A borda dos lábios é bem pigmentada, preta ou marrom, de acordo com a cor da trufa.
Bochechas: são magras com cavidades, especialmente abaixo dos olhos.
Maxilares / Dentes: dentição completa; mordedura em tesoura; dentes fortes e brancos, regularmente inseridos em maxilares bem desenvolvidos. Mordedura em torquês é tolerada.
Orelhas: finas e flexíveis, cobertas de pêlos curtos, delicadas e aveludadas ao toque; a cartilagem da orelha é muito longa, ultrapassando no mínimo a extremidade do nariz quando colocadas sobre a cana nasal. Orelhas inseridas muito baixas no nível dos olhos ou mais baixas, ao lado da cabeça, caindo em dobras graciosas, enroladas para dentro e para trás (orelhas em saca-rolha).

PESCOÇO
Longo, de forma que o cão possa seguir a pista com o nariz no chão.
Fortemente musculoso. A pele da garganta é solta e extremamente desenvolvida, apresentando barbela dupla, menos pronunciada nas fêmeas.

TRONCO
Coberto de pele delgada e extremamente solta, principalmente na cabeça e ao redor do pescoço, onde forma pregas.
Peito (Tórax): de formato oval, longo, alto, formando nitidamente uma crista entre os membros anteriores. Caixa torácica, suficientemente longa. Antepeito e ponta do ombro, bem salientes. Costelas bem arqueadas, nem planas, nem em barril.
Cernelha: ligeiramente marcada.
Dorso:  recto, largo, longo e sólido.
Lombo: largo, forte, curto, muito ligeiramente arqueado.
Garupa: Bem musculosa, quase horizontal, jamais caída, bem larga e bastante longa.
Linha inferior: quase horizontal; debaixo do peito, bem descida. Flancos bem cheios, largos e descidos; ventre só ligeiramente levantado.

MEMBROS ANTERIORES
Membros retos, perfeitamente paralelos, bem musculados e com ossos grandes e fortes. Ombros bem musculosos e oblíquos. 

MEMBROS POSTERIORES
Sólidos, muito bem musculados, em harmonia com os membros anteriores. Vistos por trás são paralelos; nem fechados, nem abertos. As coxas são largas, de bom comprimento e fortemente musculadas; as articulações tibio-társicas sãs flexíveis e de colocação baixa.

CAUDA
Longa, forte, espessa, inserida alta no prolongamento da linha dorsal, diminuindo gradualmente para a extremidade. Portada em sabre. Em ação, a cauda é curvada graciosamente acima da linha dorsal, jamais enrolada ou desviada lateralmente. A parte de baixo da cauda é coberta de um pêlo duro de mais ou menos 5 cm que fica progressivamente mais curto na extremidade.

PELE: flexível sobre o corpo inteiro, frouxa e elástica. A pele fina, muito frouxa e abundante sobre a cabeça é muito característica. Sobre a testa e as faces laterais do focinho, a pele forma dobras que são pendentes e mais marcadas ainda quando a cabeça está portada baixa. De qualquer maneira, rugas ou dobras exageradas na testa e nas arcadas superciliares não devem jamais prejudicar os olhos. Dobras de pele no corpo, devido a uma pele demasiadamente ampla, não são desejadas.

PELAGEM
Pêlo: sobre o corpo, o pêlo é raso e curto, denso, bastante duro e resistente às intempéries. Sobre a cabeça e as orelhas, o pêlo é muito curto e suave ao toque. A parte debaixo da cauda é coberta por pêlos um pouco mais longos e mais duros.

COR
Bicolor preto e fogo, bicolor fígado e fogo ou unicolor vermelho. O preto apresenta-se no dorso, flancos e na nuca; o branco não é admitido, contudo, pequenas manchas no peito, pés ou ponta da cauda são permitidas.

TAMANHO
A altura na cernelha ideal é de 67 cm nos machos e 60 cm nas fêmeas, com uma tolerância de 4 cm para mais ou para menos.

PESO
Machos: entre 46 e 54 kg.
Fêmeas: entre 40 e 48 kg.
A altura (tamanho) e o peso devem estar em harmonia.

MOVIMENTAÇÃO
Lenta e imponente, com a cabeça baixa e com o nariz pegado ao chão. Seus passos são elásticos, livres e balanceados, com pisadas firmes, cobrindo mais terreno do que qualquer outro sabujo e, o que é característico, rolando sem andar obliquamente. Os membros se movem paralelamente, mas em grande velocidade se juntam (single tracking). A cauda é portada alta, em forma de sabre (sem que a curvatura esteja muito pronunciada). O cão deve ser capaz de manter um trote de longa duração sem mostrar sinais de cansaço.

COMPORTAMENTO / TEMPERAMENTO
Dócil, gentil e plácido. Particularmente ligado a seu dono. Tolerante com seus companheiros de canil e outros animais domésticos. De natureza tímida, é antes de tudo reservado e obstinado. É sensível tanto aos elogios quanto às correções de seu amo. Jamais agressivo. Sua voz é muito grave, mas não é um ladrador.